sanatório padre bento

História de Guarulhos

A lista conta com mais de 100 nomes de internos que conseguiram fugir entre janeiro e junho de 1938. Trata-se de um rol predominantemente masculino, com uma dezena de mulheres. Isso pode ser reflexo da sociedade sexista da época, onde uma egressa teria maior dificuldade em se virar sozinha e seria recriminada pela família, ou até mesmo um indicativo de que as mulheres não se sentissem livres em lugar algum, e se conformavam com o convívio e o relativo ambiente de conforto e sociabilidade que a estrutura do leprosário permitia.

Na tentativa de encontrar possíveis fugitivos, identifica-se que boa parte deles buscou asilo no Rio de Janeiro, onde poderiam circular com menos riscos de serem apreendidos novamente, o que reforça a ideia de uma perseguição aos doentes muito mais ferrenha no Estado de São Paulo.

Esse sentimento de revolta dos internos, que já vinha dando sinais nas fugas e em algumas manifestações, atingiu um ponto alto e se materializou em 1945, quando, segundo relato do Sr. Arnaldo Rúbio, encontrado em seu livro de memórias, todos os asilos-colônias fervilham sobre liderança da deputada Conceição da Costa Neves.

Padre Bento, sanatório, lepra, hanseniase

Sanatório Padre Bento. Ano: 1946. Acervo: Imprensa Nacional.

No Padre Bento, foi roubado o busto do diretor do Departamento de Profilaxia da Lepra, Dr. Salles Gomes, presente em uma das praças do complexo. Durante a madrugada, alguns internos retiraram a escultura do local e a esconderam debaixo de um dormitório. Informado de uma possível rebelião no Padre Bento, Salles Gomes acionou a polícia e se dirigiu para o sanatório. A polícia chegou primeiro que o diretor, com a ordem de desarmar os internos e prender aqueles que possuíssem armas. Ao perceber que não havia armas e que os revoltosos eram pacientes mutilados e acamados, a polícia se retirou, mas não sem antes entoar o hino nacional acompanhada por alguns internos em suas janelas. Isso é um exemplo dos efeitos do sentimento nacionalista estimulado pelo Governo Vargas nos anos que antecederam 1945, e como isso reverberava nas pessoas e nas instituições.

O apoio da deputada Conceição da Costa Neves a esses levantes também ocorreu em 1945, depois da saída de Vargas, seu correligionário do PTB no governo federal.

Entre 1944 e 1970, foi considerada a “mãe dos leprosos”, defendendo os interesses dos internos, se reunindo com fugitivos dos leprosários, organizando motins… Seu interesse pelos doentes é atribuído ao fato de ter sido casada com um médico, do qual se desquitou.

28-07-2016
Padre Bento, sanatorio, lepra

Os Fugitivos do Sanatório Padre Bento

A lista conta com mais de 100 nomes de internos que conseguiram fugir entre janeiro e junho de 1938. Trata-se de um rol predominantemente masculino, com uma dezena de mulheres. Isso pode ser reflexo da sociedade sexista da época, onde uma egressa teria maior dificuldade em se virar sozinha e seria recriminada pela família, ou até mesmo um indicativo de que as mulheres não se sentissem livres em lugar algum, e se conformavam com o convívio e o relativo ambiente de conforto e sociabilidade que a estrutura do leprosário permitia.
16-02-2016
Injeção no Sanatório Padre Bento, lepra, documentário, foto, onde mora a esperança

Sanatório Padre Bento foi pioneiro no tratamento da hanseníase

Os primeiros estudos com resultados satisfatórios foram realizados nos Estados Unidos, ainda no início dos anos de 1940. Apenas alguns anos depois, o Dr. Lauro de Souza Lima introduziu as sulfonas no Brasil, iniciando os testes no Sanatório Padre Bento, instituição a qual dirigia e, mais uma vez, a referência dentro do “modelo paulista”.
11-01-2016

Padre Bento: um leprosário modelo

O Padre Bento não é fruto de uma política nacional, e sim do chamado “modelo paulista”, e dentro desse próprio modelo, também pode ser considerado uma exceção, uma espécie de modelo dentro do modelo, o cartão de visitas do Departamento de Profilaxia da Lepra.
29-12-2015

Infância no Sanatório Padre Bento

Inaugurado em 1936, abrigava cerca de 300 crianças, entre 5 e 17 anos de idade. Meninos e meninas eram separados em alas diferentes. O pavilhão contava ainda com escola, área de lazer e era separado do restante do complexo por uma área arborizada.