Guarulhos

Cecap

A história é feita pelos seus grandes personagens e os grandes acontecimentos. O leitor deve estar se perguntando: quem é o cidadão com o nome acima? Será que ele foi um personagem marcante de nossa história? Prefeito?

O Senhor Cristiano Francisco de Jesus morou durante 76 anos na cidade de Guarulhos. Foi despejado e despojado de sua propriedade em nome do progresso. Faleceu longe do lugar em que foi criado.

A partir da figura frágil do senhor Cristiano Francisco de Jesus, em seu caminhar trôpego, é possível formular algumas perguntas sobre o nosso passado e, quem sabe, ensaiar algumas respostas ainda que provisórias, sobre o nosso presente.

Em seus estudos sobre evolução populacional na cidade de Guarulhos, o professor da UESC (BA) Casé Angatu apresenta um dado interessante dos números da nossa população.

Apenas na década de 40 é que o número de guarulhenses passou de 13.439 pessoas para 35.523 pessoas. Estamos tratando de uma cidade cuja maioria dos habitantes é originada de outras regiões do Brasil. Nesse sentido, muitas vezes a sua memória está mais associada ao local de origem do que propriamente à cidade que o acolheu. Tão representativo deste dado é um estabelecimento no bairro do Bela Vista que leva o nome de “Casa do Norte do Mineiro”.

De um lado, a vitalidade de uma metrópole poderosa, exigindo a construção de uma memória que exalte sua força e riqueza; de outro, resistindo com suas parcas forças, deixando pequenas ranhuras sob a passagem do rolo compressor da “história”, a singularidade humana dos que escapam ou são postos à margem desse processo, nos dando um testemunho mudo de sua experiência.

No entanto, nessa tentativa de se compreender de maneira mais abrangente a historia de Guarulhos, voltamos nossos olhos à figura frágil, tão frágil quanto nossa memória, do senhor Cristiano.

Ele criou seus sete filhos numa região que era o interior do atual centro da cidade de Guarulhos durante setenta anos. O lugar é hoje conhecido como bairro do Parque Cecap. Teve as margens do Baquirivu-Açu e o clima temperado da região como provedor da sua subsistência.

A sua luta pela sobrevivência ao vender hortifruti para os moradores do Cecap ou mesmo ajudar na construção dos prédios, não foi suficiente para garantir a sua permanência e moradia. Na falta de títulos de posses ou de diplomas escolares, o senhor Cristiano foi uma testemunha ocular na região: presenciou a chegada e a instalação da Base Aérea, da linha do trem da Cantareira, da Dutra, do Cecap, do Aeroporto, e ainda as primeiras metragens em torno do ramal da CPTM e do Terminal Rodoviário. Foi levado para longe do espaço de onde construiu sua vida e suas memórias. E não restam dúvidas de quem fará parte da “história” nesse episódio: o Fórum de Guarulhos, símbolo da justiça e da defesa dos nossos direitos, que será erguido sob os escombros da sua última chácara.

Guarulhos, planta cecap, vilanova artigas, modernismo

Projeto do Parque Cecap. Acervo: Arquivo Histórico de Guarulhos.

Cristiano Francisco de Jesus não se tornará nome de rua e nem terá placa de museu. Não fulgurará como vulto eterno em nosso hino porque a história escrita pelos vencedores eterniza “heróis”, prédios e monumentos. E quando não, as derruba também em nome do progresso. Na contracorrente, seguimos em frente.

 *Cristiano Francisco de Jesus, 81 anos, foi despejado de sua casa, no Parque Cecap, onde morou desde os seis anos, no dia 7 de abril de 2009. No local, ainda será construído o novo Fórum de Guarulhos. A reintegração de posse foi solicitada pela CDHU. Foram desalojadas também sua mulher e as duas famílias de seus filhos. O órgão do governo do estado lhe providenciou nova residência no bairro dos Pimentas. Senhor Cristiano faleceu em fevereiro de 2011.

** esse texto foi adaptado do original, publicado em 2009 no jornal Diário de Guarulhos.

 

08-04-2016
planta cecap, vilanova artigas, modernismo, guarulhos

O senhor Cristiano Francisco de Jesus

A história é feita pelos seus grandes personagens e os grandes acontecimentos. O leitor deve estar se perguntando: quem é o cidadão com o nome acima?
31-03-2016
Demolição da Casa Saraceni, Guarulhos, História de Guarulhos, Patrimônio Cultural

Casa Saraceni – Justiça tarda…mas não falha?

Na madrugada de 04 de novembro de 2010, caía um patrimônio histórico edificado na cidade de Guarulhos. Não foi obra de uma catástrofe natural ou incompetência dos projetistas ou construtores antigos, pelo contrário, tratava-se de uma demolição “autorizada”pelos gestores da cidade e executada pelo proprietárioque arquitetava isso há pelo menos 12 anos, desde que adquiriu a propriedade.
25-03-2016
Casa da Candinha - Guarulhos, tombado, patrimônio histórico, escravidão

Casa da Candinha– Ruptura e a Metamorfose que não foi

Há cerca de doze anos atrás o projeto de transformar uma antiga casa sede da Fazenda Bananal, inicialmente símbolo de um poder voraz escravocrata, em um Centro de História e Memória das Culturas Negras, entusiasmava os movimentos sociais, intelectuais, militantes, enfim, todos aqueles que lutavam pela igualdade em Guarulhos.
12-03-2016
bosque maia, guarulhos, patrimônio histórico, patrimônio natural, o que fazer em guarulhos?,

Bosque Maia

O Bosque Maia é uma das poucas áreas verdes situadas em área urbana da cidade de Guarulhos. Na verdade, a mais significativas. Possui 170 mil metros quadrados de vegetação nativa da Mata Atlântica. Abriga também espécies silvestres de aves. Os seus milhares de metros possuem espécies exóticas de vegetação como o Pau de Óleo, Pau Jacaré e o Jacarandá Mimoso, árvores que passam dos 20 metros. Congrega também vários espaços de lazer como quadras, pistas de corrida, de skate e playground. O bosque está situado na esquina da Av. Paulo Faccini com a Rua Papa João XXIII.