Guarulhos

Cerrado em Guarulhos

Você já ouviu falar na Savana Africana? Quando ouvimos falar em Savana logo nos remete uma imagem de uma paisagem com árvores espaçadas com arbustos e plantas herbáceas, em um lugar com zebras, antílopes e leões.

E a Savana Brasileira você já ouviu falar? Por incrível que pareça, apesar de ser a Savana com a maior biodiversidade do mundo contanto com, nada mais nada menos, que 14 000 espécies de plantas, sendo que 4 400 exclusivas, possuindo um mosaico de fitofisionomias de floresta, savana e campo, chamado Cerrado, é pouco conhecido pelo público em geral!

Sendo considerado um bioma prioritário para preservação mundial, pela sua riqueza de espécies, e devido ao elevado grau de devastação, acima de 75% da sua cobertura original alterada, foi classificado como um Hotspot. Mesmo assim muitos ainda consideram outros biomas, como a Floresta Amazônica com mais urgência para conservação, apesar de os especialistas afirmarem que a o Cerrado precisa de maior atenção, para não presenciaremos uma extinção em massa sem precedentes.

No entanto no estado de São Paulo (SP) este quadro de destruição é ainda mais assustador, com a redução de 1.594.974 hectares desse Bioma, correspondendo a 86,9% da cobertura original, entre os anos de 1962 a 1992. Sendo que, atualmente, as áreas de Cerrado no estado contam com apenas 7% da sua porção original. Devido principalmente à agropecuária e ao desenvolvimento urbano.

Cerrado, Guarulhos, Vegetação, Natureza, Clima, Urbanismo, Desmatamento

Área de Cerrado em Guarulhos. Arquivo: Marcus Melo de Oliveira.

As ocorrências de Cerrado no Estado de São Paulo, são decorrentes das flutuações climáticas no Quaternário, que tiveram seu ápice em torno de 10.000 anos AP, em um período no qual o clima era mais frio e seco com predomínio do Cerrado aberto. No ano de 7.560 anos AP houve uma maior umidade, notada pelo avanço das florestas de galerias nos vales. Com retorno do período seco entre 7560 e 6000 anos AP, favorecendo a expansão do Cerrado. Contudo de 6000 a 2180 anos AP, os vales voltam a ser novamente cobertos por florestas semideciduais, restando as regiões mais altas como “áreas relíquias” de Cerrado aberto. Esse quadro se alterou entre 2180 e 600 anos AP, com o aumento da umidade, o Cerrado aberto nas áreas mais elevadas se tornaram mais fechados. Sendo que após os 600 anos AP a floresta semidecídua veio paulatinamente se sobrepondo nessa região.

Entretanto, análises de isótopos de carbono, registros de pólen e estudos de isótopos de oxigênio em espeleotemas de cavernas, indicaram que no período do último máximo glacial o Brasil esteve sob influência de um clima de monção e que a região sudeste brasileira enfrentou períodos úmidos desde ~22.000 AP, e úmido e quente de 15,600 até o presente.

Especula-se que durante as fases glaciais no Sudeste do Brasil predominavam florestas úmidas e que as ilhas de Cerrado encontradas hoje são espécies altamente resilientes e tolerantes às mudanças climáticas, representativas de um Cerrado muito antigo que existiu antes das fases glaciais.

Poucos trabalhos foram realizados buscando identificar novas áreas de Cerrado no Estado de São Paulo, inclusive na Região metropolitana. No entanto o pesquisador João Batista Baitello, em 2013 publicou seu trabalho sobre a Ocorrência de Cerrado no município de Franco da Rocha, primeiro trabalho comprovando a ocorrência de enclave de Cerrado na região Metropolitana de São Paulo, no Domínio da Mata Atlântica.

Esse trabalho influenciou uma série de pesquisas que começaram em 2014 e que em 2017 conseguiram comprovar a ocorrência de Cerrado na Cidade de Guarulhos.

Através de imagens de satélite e utilização de mapas do meio físico e dados de ocorrência de plantas do Cerrado espalhadas pela Região Metropolitana de São Paulo, foi criado mapas por um Software de computador, com autoaprendizagem, chamado MaxENT, que apontou 4 possíveis áreas de ocorrência de Cerrado no Município de Guarulhos. O Pico Pelado, próximo à Proguaru; o terreno próximo a Chácara do Mackenzie; a área do Parque Várzea do Tietê e a Base aérea de Guarulhos.

Foram identificadas consecutivamente, através d uma séries de visitas de campo, espécies indicadoras do Cerrado como a Caviúna e Dedaleira ( Pico Pelado e Machenzie); Algodão do Cerrado e Mutamba (Parque Várzea do Tietê) e Ipê amarelo (Base aérea de Guarulhos) comprovando o que foi apontado pelo mapas de predição revelando o nosso Patrimônio Natural que pertence a Guarulhos a mais de 10 000 anos, sendo todas áreas com um grande potencial para implementação de unidades de conservação podendo preservar nossa identidade natural para futura gerações de Guarulhenses que vão poder conhecer a beleza do Cerrado de nossa Cidade.

14-09-2017
Cerrado, Guarulhos, Vegetação, Natureza, Clima, Urbanismo, Desmatamento

Cerrado Guarulhense, Nosso Patrimônio Natural!

Você já ouviu falar na Savana Africana? Quando ouvimos falar em Savana logo nos remete uma imagem de uma paisagem com árvores espaçadas com arbustos e plantas herbáceas, em um lugar com zebras, antílopes e leões.
17-08-2017
formação geográfica, guarulhos, rodoanel, ferroanel, desenvolvimento urbano, sustentabilidade

Guarulhos: Desenvolvimento Desigual e Crescimento Combinado

A formação urbana de Guarulhos e sua história econômica está intrinsecamente ligada a sua localização Geográfica. A localização de Guarulhos começa a pesar mais intensamente a partir de 1589, com a descoberta de minas auríferas, bem como seu processo de extração, constituindo, possivelmente, a primeira atividade econômica destinada a esta região.
10-08-2017

A rua 3 do Jardim Novo Ipanema e seus modos de identificação

Quando os lotes eram divididos para se vender, as ruas eram batizadas por números para identificação de cada logradouros, com a chegada dos primeiros moradores, para recebimento de correspondência se torna necessário uma denominação mais precisa como o nome de alguém que teve representatividade na região. O batismo do logradouro é decidido por decreto ou por imposição dos próprios moradores do local.
20-07-2017

A Praça Mamonas Assassinas é uma Difusora de Memórias

Dinho (vocalista), Samuel (baixista), Bento (guitarrista) e Sérgio (baterista) iniciaram a carreira em 1990 com a banda Utopia, na qual Júlio (futuro tecladista dos Mamonas) atuava como Roadie. A Praça foi palco de muitas apresentações e o local no qual começaram a vender os seus primeiros discos. Alcançaram um sucesso imensurável no ano de 1995, quando, já com a banda Mamonas Assassinas, chegaram aos esplendorosos 2 milhões de cópias vendidas no começo de 1996. O acidente não impossibilitou que esses ilustres guarulhenses permanecessem vivos e continuassem a passar a sua energia através das memórias.