centro

Patrimônio Histórico de Guarulhos

Não foram poucas as análises, as notícias e as imagens nos últimos anos tratando da Casa José Maurício, conhecido edifício referência no cruzamento das ruas Felício Marcondes e Sete de Setembro. Sempre que se esboça alguma solução, a realidade vem à tona com episódios que vão desde incêndios, furtos, consumo de drogas e, até morte. Não foi diferente no sábado (18/11) quando mais uma cena do abandono em que a casa é submetida foi flagrada.

Veja o vídeo do furto.

Aparentemente um homem retirava, sem ser incomodado, as grades que protegiam o edifício. Entrando e saindo pelo portão aberto, o áudio que acompanhou a gravação da cena dizia que pessoas já tinham voltado a ocupar a casa sem autorização para consumir drogas.

Mais uma vez o silêncio da prefeitura é tão constrangedor quanto ver um sujeito em aparente distúrbio, saquear bens públicos sem nenhuma providência. Mas a gestão Guti não é a única responsável pela situação que se arrasta há oito anos.

A restauração da Casa poderia ser uma virada positiva na maneira de se tratar a política de patrimônio da cidade. Apenas imagine como o morador da cidade, aquele que frequenta o centro, enxergaria o governo que finalmente restaurasse tão sofrido edifício, após tantos e tantos episódios de abandono e descaso.

A permanência do espaço degradado no centro da cidade apenas demonstra o quanto a preservação do patrimônio está relegada a uma sombra de ação dos mandatários municipais, seja a cor que for. A Casa foi desapropriada a um custo relativamente alto em 2009. Durante o litígio, o prédio se degradou mais e mais, sendo finalmente incorporado ao patrimônio público municipal, três anos depois.

Em 2015 foi aprovado o projeto de restauração do casarão e a construção do prédio anexo. No ano passado, o governo Sebastião Almeida não liberou a verba procrastinando ao máximo a contratação da empresa responsável, sugerindo ao próximo governo a execução do projeto já aprovado.

No ano de 2017 o então novo secretário da Cultura, agora SECEL, Alexandre Zeitune, faz a opção de não executar o projeto de restauro, por prever a construção de um novo edifício, argumentando que o dinheiro deveria ser empregado em abertura de vagas nas creches. E promove uma discussão junto com a AAPAH e outros setores da sociedade civil (em destaque os Admiradores da Casa José Maurício) visando o restauro a partir de uma parceria público-privada. Este tema se desenvolve durante o ano, havendo um empenho da AAPAH e dos demais setores para que fosse encontrada uma solução. Todavia, muitas idas e vindas por parte do executivo depois, que mesmo a dispor de uma vontade inicial, não empreende a energia necessária para deslanchar o restauro do Casarão.

Em meados de Agosto de 2017, é apresentado um projeto de cooperação técnica entre a AAPAH e a Formarte – importante empresa especializada em restauração de edifícios históricos- para a realização do projeto executivo, prevendo desde formas de financiamento, no caso seria incentivos fiscais via Proac, até os possíveis usos da Casa José Maurício já restaurada.

Após a submissão do projeto junto ao setor de convênios da SECEL é dado os primeiros trâmites para sua implementação. Até o presente momento da publicação deste texto não houve nenhuma devolutiva por parte da SECEL dos próximos passos, estando neste momento em análise. Para contribuir, o mais importante animador da parceria o então secretário Alexandre Zeitune, foi exonerado.

Patrimônio histórico, guarulhos, casa josé maurício

Casa histórica abandonada. Ano: 2016. Acervo: AAPAH/Bruno Leite de Carvalho.

Outra cena pode ser descrita aqui: existe a possibilidade do projeto anterior, aprovado pelo Conselho Municipal de Patrimônio, ser retomado, já que com a troca do secretário esta situação se torna possível. A conferir.

Em resumo, o projeto executivo aprovado pelo Conselho Patrimônio em 2015 está engavetado. O projeto de parceria apresentado pela AAPAH e Formarte encontra-se em status de análise. Há uma incerteza sobre os caminhos desta nova secretaria, Marli Nabas. A única ação efetiva que ocorre no casarão é a Feira de Artesanato, sendo até orquestrada uma pequena adequação no edifício para que a feira fosse implementada. O restauro que seria a prioridade um, não mostra indícios de que será realizada em curto prazo. Enquanto isto, o abandono do edifício permanece. Vale mencionar, a AAPAH comunicou o Ministério Público de todos estes trâmites.

Entendemos que o restauro é fundamental para abrir um novo marco na relação entre a cidade e seu patrimônio cultural. O encontro da cidade não apenas com o seu passado, mas também com o seu futuro.

23-12-2017
Patrimônio histórico, guarulhos, casa josé maurício

Ainda sobre a Casa José Maurício

Não foram poucas as análises, as notícias e as imagens nos últimos anos tratando da Casa José Maurício, conhecido edifício referência no cruzamento das ruas Felício Marcondes e Sete de Setembro. Sempre que se esboça alguma solução, a realidade vem à tona com episódios que vão desde incêndios, furtos, consumo de drogas e, até morte. Não foi diferente no sábado (18/11) quando mais uma cena do abandono em que a casa é submetida foi flagrada.
10-05-2016
Casarão Jose Mauricio, Patrimônio Histórico de Guarulhos, História de Guarulhos, Centro

Casarão José Maurício de Oliveira

Foi construído em 1937 para ser a casa do prefeito José Maurício. Foi usado como sede vários organismos oficiais, tais como a Junta do Exército e o Arquivo Histórico. É uma das últimas casas da cidade de arquitetura eclética, muito comum no início do século XX. Em 2000 foi tombada via Lei Orgânica do Município. Porém o litígio jurídico durou mais de dez anos e apenas em 2012 ela foi adquirida pelo município. Em 2014, a casa recebeu os primeiros projetos para restauração.
19-03-2015
Igreja matriz, patrimônio histórico de guarulhos, bem tombado, história de guarulhos

Igreja Matriz de Nossa Senhora da Conceição

Localizada na Praça Teresa Cristina, no Centro, teve sua construção, originariamente em taipa de pilão, iniciada possivelmente em 1741 e terminada entre 1761 e 1763. Sofreu várias reformas, incorporando ampliações e outros materiais construtivos.