História de Guarulhos

O passado é uma construção social situada na confluência de inúmeros tipos de registros documentais e de lembranças particulares e coletivas; em outras palavras, podemos afirmar que o passado resulta de memórias e da escrita da História.

A história é uma forma de conhecimento que possibilita à sociedade se aproximar de seu passado e saber mais sobre si mesma. Este processo é contínuo, multifacetado, e faz parte da própria dinâmica social. O texto de hoje é apenas uma forma de relembrar a história de um dos muitos bairros de nossa cidade.

O bairro do Taboão nasceu com a vocação de homenagear a cidade de Guarulhos, costumam dizer que o bairro é um exemplo claro da mescla de identidades. A região se desenvolveu ao redor da Praça Oito de Dezembro, local conhecido por suas várias casas comerciais, e por suas avenidas, a famosa Otávio Braga de Mesquita, a Silvestre Pires de Freitas e a rua Jamil João Zarif, que liga a região ao Aeroporto.

Outrora um lugar tranquilo com poucas casas, pequenos sítios e transporte acanhado; A praça era um lago, cheio de taboas, plantas aquáticas, dizem os moradores antigos que por este motivo o bairro foi batizado com o nome de Taboão. No final da década de 50 a Avenida Otávio Braga de Mesquita não era asfaltada, neste trecho foi construído o Grupo escolar do Taboão, que foi a única escola no bairro por muito tempo.

O pluralismo cultural concentrado na Oito de Dezembro grita aos olhos dos transeuntes, nas calçadas uma gama de produtos a venda, é lá que você pode ouvir muitos sotaques, no entanto o destaque é para os dialetos que vão do Norte ao Nordeste e não é a toa, pois foi de lá que anos atrás muitos migrantes vieram e  ocuparam o bairro, a construção do aeroporto reforçou a chegada desses homens e mulheres que sonhavam com uma vida melhor.

Era no Taboão que se realizava uma festa nordestina promovida pela prefeitura, que oficialmente não existe mais, porém a Praça Oito é festa pura, não acredita no que falo? Pois vá visitá-la! Há também comércio irregular, muitos camelôs se distribuem pelas calçadas gritando jargões para vender suas peças coloridas. A feira do rolo migrou para lá, falem o que quiser, mas é lá que permanece a essência do escambo guarulhense.

A antiga granja do bairro é hoje um cemitério, os antigos prédios comerciais foram demolidos há pouco e cederam lugar a supermercados, transportadoras, indústrias. O bairro se expandiu, a região foi ocupada, surgiram edifícios, o grupo escolar não é mais único, ficou pequenino e foi engolido pelo trânsito intenso da avenida, esqueceram-se da pequena capela símbolo do sincretismo, permanece viva na memória a Paróquia Santa Cruz construída posteriormente, e símbolo mor da região. Das construções do antigo bairro pouco resistiu ao progresso desenfreado, este que engole pouco a pouco os edifícios do passado.

: Igreja Santa Cruz ao fundo, data 13/02/1969. Acervo: Arquivo Histórico de Guarulhos

Igreja Santa Cruz ao fundo, data 13/02/1969. Acervo: Arquivo Histórico de Guarulhos

O acesso ao passado é hoje um direito de cidadania cujo exercício, assim como o dos demais direitos, depende de uma complexa rede de possibilidades, na qual se inclui o acesso às decisões de interesse social, a divulgação do conhecimento sobre o passado e o crescimento da autoestima dos segmentos sociais e/ou étnicos que constroem o presente. Da complexa escolha de múltiplos fatores, muitas vezes díspares, resulta a possibilidade das edificações permanecerem como suportes de memória – esta faculdade do presente, que nele conserva o passado e o faz aderir a nós − ou do apagamento, este, o oposto da conservação e do direito ao passado.

Artigo originalmente publicado no Semanário Ótimo:

21-07-2015

Praça Oito de Dezembro: lembranças do Taboão

O passado é uma construção social situada na confluência de inúmeros tipos de registros documentais e de lembranças particulares e coletivas; em outras palavras, podemos afirmar que o passado resulta de memórias e da escrita da História.
21-07-2015

Casa Saraceni, quem ainda se lembra?

Parece que foi ontem, (ou que ainda nem foi), mas já se passaram quatro anos da demolição da Casa Saraceni. Provavelmente muitos se recordem que a casa ficava isolada no estacionamento do shopping da cidade, propositalmente a cercaram sem uso, quem passava em frente ficava a admirar que a casa estivesse em pé e em boas condições. Há quem ainda pergunte por que a derrubaram, afinal não era tombada?
17-07-2015

O aeroporto em Guarulhos: do ‘não’ ao cartão postal

Inaugurado em 29 de Janeiro de 1985, o aeroporto Governador André Franco Montoro, ou apenas Aeroporto de Cumbica, se constitui, hoje, em uma importante referência da cidade de Guarulhos. Muitas vezes confundido como pertencente a São Paulo, depois de quase 30 anos o Aeroporto hoje é visto como importante cartão postal da cidade. Mas nem sempre foi assim é isto vamos discutir hoje.
17-07-2015

A História Próxima, Identidades e a Globalização

A discussão sobre identidade é importante nesse tempo, pois muitos são os fatores que a moldam. Há algum tempo políticas de auto-afirmação vem crescendo e, após décadas de lutas, leis importantes foram promulgadas para atender a demanda sobre o aprendizado da história, memória e identidade dos afrodescendentes e indígenas no Brasil. O dinamismo da identidade requer estudos em diversas áreas do conhecimento.