Futebol em Guarulhos

No dia 23/05/2015, no Ponto de Cultura AAPAH – Memória, Cidadania e Patrimônio, realizou-se o evento chamado Rodas de História”, cujo objetivo é agrupar pessoas que viveram em pele e osso determinado fato para falar sobre ele, a partir de seus sentimentos e sua memória.

Dentro da perspectiva do patrimônio imaterial, a AAPAH entende que o futebol é parte da identidade brasileira, sendo os times um reflexo disso, onde a paixão e a emoção ultrapassam o mero entretenimento e tornam-se parte essencial do que é ser brasileiro. Democrático como é, não vê cor, credo, etnia ou religião. No campo, vence o melhor, a bola é o juiz supremo.

Eric Hobsbawn afirma em seu livro “A Era dos Extremos: “…e quem, tendo visto a seleção brasileira em seus dias de glória, negará sua pretensão à condição de arte?…”.

Alias, em tempos de ditadura da beleza, onde a magreza esquelética é o norte, é simbólico que a Gorduchinha seja a mais desejada.

Dentro da visão de que futebol também é cultura e arte, a AAPAH organizou a primeira Roda de História sobre a Associação Atlética Flamengo, mais conhecido como o Flamengo de Guarulhos.

O clube surgiu no bairro do Jd. Tranquilidade, em 01/06/1954, onde se mantém até hoje, entre amigos que queriam jogar nos finais de semana. Conquistou muitos títulos na cidade, e hoje é um dos representantes do município no campeonato profissional de futebol, junto da A.D Guarulhos. É um dos times mais importantes da cidade, com uma história rica digna de muito orgulho.

O evento foi mediado pelo poeta Diogo Carvalho e Adriano Silva, e filmado por Bruno Leite, todos da AAPAH.

A.A. Flamengo Tetra Campeão de Futebol Amador de Guarulhos em 1972, no Estadio Cicero Miranda. Acervo: Arquivo Histórico de Guarulhos.

A.A. Flamengo Tetra Campeão de Futebol Amador de Guarulhos em 1972, no Estadio Cicero Miranda. Acervo: Arquivo Histórico de Guarulhos.

Compareceram personagens importantes na vida do clube como Ednilson, da Torcida Uniformizada “Comando Rubro-Negro” e Silvestre, torcedores fanáticos do Corvo, que lutam cotidianamente para manter viva a chama do Flamengo. Para eles, o time representa suas vidas.

Além deles, veio o Sr. Paulo, que vive o clube desde criança, e possui diversas histórias riquíssimas sobre o time, suas glórias e sua identificação com a população, extrapolando os limites municipais. Ele descreve o Flamengo como apaixonante, sendo mais que um time, um verdadeiro estado de espírito.

Compareceu também Carlos, responsável pela comunicação do time, com uma visão moderna e atual sobre marketing esportivo. Externou diversas ideias e planos para a melhoria do time de forma bastante positiva e promissora.

O bate-papo foi bem descontraído. Conversou-se sobre a história do Corvo, atual situação do futebol guarulhense, elitização do esporte, dentre outros assuntos correlatos.

A AAPAH organizará mais Rodas de História, com outros times que foram e são importantes no cenário futebolístico da cidade de Guarulhos, a fim de resgatar um cenário que já orgulhou muito os munícipes. Parabéns Associação Atlética Flamengo, aniversariante da semana.

28-12-2015

Flamengo de Guarulhos faz 61 anos

No dia 23/05/2015, no Ponto de Cultura AAPAH – Memória, Cidadania e Patrimônio, realizou-se o evento chamado “Rodas de História”, cujo objetivo é agrupar pessoas que viveram em pele e osso determinado fato para falar sobre ele, a partir de seus sentimentos e sua memória.
28-12-2015

A educação pública de qualidade é nosso maior patrimônio

A implantação de um sistema educacional público com excelência deveria ser um interesse não só dos alunos e professores, mas de toda a sociedade, já que a educação escolar constitui um meio de inserir as novas gerações no patrimônio cultural acumulado pela humanidade, dando-lhe continuidade em seus variados aspectos. No entanto, a realidade é a do abandono por parte do governo e a depredação de um direito conquistado a duras penas.
28-12-2015

Catifunda e Grande Otelo acharam dólares no lixão da Vila Galvão

Em 1970, a Vila Galvão foi cenário para algumas cenas do filme “Se Meu Dólar Falasse”. A trama conta a história da Bisisica (Dercy Gonçalves), dona de um salão de beleza, que é encarregada de comprar uma estatueta de 15 mil dólares, porém a peça era oca com cocaína dentro. O dinheiro era da madame Veruska (Zélia Hoffman). Os dólares, por descuido, foram parar no lixão.
28-12-2015

Sanatório Padre Bento foi cenário de filme na década de 1940

O filme "Onde Mora a Esperança" conta a história de um rapaz que queima a mão, mas não sente a dor após perder a sensibilidade nesta parte do corpo. Assim, ele procura ajuda médica e acaba se diagnosticando o mal de hansen. O médico indica uma colônia para tratar a doença.