História de Guarulhos

Em 2005, a equipe de funcionários que compunham o Núcleo do Patrimônio Cultural da Secretaria de Cultura de Guarulhos, vinculados, ao que parece, ao “Arquivo Histórico de Guarulhos” fez uma notação no verso de uma fotografia que registrou, segundo esse núcleo, o “Dia da Instalação da Comarca – Recepção à chegada de autoridades” em 24 de março de 1956.

Esse 24 de março marcava também a data da emancipação de Guarulhos (1880) da Cidade de São Paulo, dando a ela autonomia político institucional, para tratar, a partir daí, de seus interesses.

Curioso pensar nesse conceito “autonomia política” no nosso contexto em que os poderes que compõe o Estado Brasileiro (Executivo, Legislativo e Judiciário) apresentam-se como harmônicos e autônomos. Se acompanharmos as leituras das primeiras Atas dos trabalhos legislativos da cidade, somos surpreendidos com a presidência a cargo do chefe do executivo.

História de Guarulhos, Emancipação, Paço, Patrimônio de Guarulhos,

24/03/1956 – dia da instalação da Comarca. Acervo: Arquivo Histórico de Guarulhos

Essa relativa autonomia e harmonia dos poderes, na cidade de Guarulhos, tomaram contornos mais modernos com seus espaços definidos, segundo a publicação Guarulhos: historia, cultura e meio Ambiente, a partir de 1951, quando a Câmara dos Vereadores se instalou na Rua Dom Pedro II e o Paço Municipal, em 1958, foi transferido para o prédio da praça Getúlio Vargas.

É ainda desse período (1956), conforme o registro feito pela equipe do Arquivo Histórico da Cidade, a instalação do terceiro Poder, o Judiciário. Esse evento, que teve por testemunha, além de inúmeras pessoas, o prédio que abrigou por anos os poderes – executivo e legislativo, nos dão conta de sua proximidade e de seus limites quanto ao significado do conceito de autonomia como o conhecemos.

Basta lembrarmos, para encerrar essa pequena contribuição, que esse período, pós-segunda guerra, num clima de reconquista dos direitos democráticos e de lutas por direitos sociais promoveu, anos mais tarde no Brasil uma resposta, também baseada nos sinônimos que reconhecemos imediatamente junto a substantiva palavra autonomia: “liberdade” e “democracia”. Foi também em nome desses conceitos que se instalou o regime ditatorial em 1964.

22-11-2016
História de Guarulhos, Emancipação, Paço, Patrimônio de Guarulhos,

Os acontecimentos no Antigo Paço Municipal

Em 2005, a equipe de funcionários que compunham o Núcleo do Patrimônio Cultural da Secretaria de Cultura de Guarulhos, vinculados, ao que parece, ao “Arquivo Histórico de Guarulhos” fez uma notação no verso de uma fotografia que registrou, segundo esse núcleo, o “Dia da Instalação da Comarca - Recepção à chegada de autoridades” em 24 de março de 1956.
18-11-2016
cocaia, morro, guarulhos, sao joão batista, tombada

Igreja São João Batista é símbolo de resistência no Cocaia

Erigida na década de 1940 no bairro do Cocaia, a Igreja São João Batista dos Morros, popularmente conhecida como capelinha é o monumento mais antigo do bairro, ela resiste ao fluxo de uma dos mais movimentados logradouros da nossa cidade, a avenida Faria Lima, está localizada na praça Nello Poli, sem número.
10-11-2016
Escola Dulce Breves, patrimonio tombado, Guarulhos, história, Bairro dos Morros

Escola Estadual Dulce Breves: Reconhecendo a Própria História

A escola estadual Dulce Breves Neves foi construída no início da década de 1970, sendo denominada inicialmente de Escola de Primeiro Grau bairro dos Morros. Foi projetada como uma pequena escola com quatro salas de aula, para atender a pequena comunidade do bairro. No local foram alfabetizados os filhos dos sitiantes das olarias que existiam na região. Foi a primeira escola pública da região, atendendo crianças de 6 a 10 anos.
03-11-2016
Arte tumular, cemitério São João Batista, Guarulhos, História de Guarulhos

As características de arte tumular do Cemitério São João Batista

Fundado em 1889 e tombado pelo patrimônio histórico em 28 de agosto de 1990, O São João Batista tem heranças de vários períodos e aspectos antigos que devem ser lembrados com grande importância para entendermos a sua atualidade. Também conhecido como Cemitério do centro situado na Rua Felício Marcondes, era muito mais extenso do que hoje. O antigo espaço chegava até a Biblioteca Municipal Monteiro Lobato, mas foi reduzido nos anos 1960, com parte dos túmulos sendo transferido para o cemitério de São Judas Tadeu (Picanço), que tinha sido recém inaugurado. Hoje tem apenas 3.423,30 metros quadrados.