Ouro de Guarulhos

A Associação Amigos do Patrimônio e Arquivo Histórico – AAPAH, em mais uma atividade do Ponto de Cultura realizou uma aula de campo pelas áreas auríferas de Guarulhos, incluindo as regiões do Lavras, São João e Bonsucesso. O público-alvo, professores, alunos universitários, especialistas e demais interessados discutiram com os pesquisadores e professores Cris Ribeiro, Ellen Santana e Lionel Fontanesi sobre os projetos de mapeamento arqueológico, geológico, histórico e geográfico, como o Geoparque Ciclo do Ouro Guarulhos, que busca reconhecimento da Unesco, o PIPAG – Pesquisa Arqueológica de Guarulhos, trabalhos que interdisciplinarmente pode ressignificar a história de São Paulo.

Guarulhos sofre com vários problemas que impactam na visão do cidadão sobre o espaço que habita, o professor Lionel levantou a questão da ausência curricular de História e Geografia local e da rasa formação de professores, bem como dos materiais didáticos, a educação contribui na compreensão da identidade do sujeito com o local onde vive, transformando-o no protagonista político de sua região, outro grande conflito que o professor apontou é a falta de retorno dos investimentos empresariais para a população, como exemplo o trecho do Rodoanel, sem falar nos impactos sociais e ambientais que a obra trará. Na minha fala apontei as lacunas de pesquisas sobre muitos períodos históricos da cidade, sendo uma das finalidades do passeio o estímulo a pesquisa da história local por jovens universitários, há muita distorção dentro da história chamada “oficial” da cidade. O professor Cris também refutou a ideia da cidade ser pensada sempre a partir de “ciclos”, como se Guarulhos estivesse unicamente voltada para extração de riquezas, no primeiro momento o ouro e dois séculos depois, areia para fabricação de tijolos, essa ideia é muito limitada para o entendimento da complexidade do que é a cidade.

Porém, é sim muito significativo entender que as regiões visitadas até hoje são ricas em recursos hídricos e no passado, um século antes da descobertas de ouro nas Minas Gerais, Afonso Sardinha e Geraldo Correa Sardinha, considerados os primeiros donos de minas de extração de ouro do Brasil. Guarulhos, durante o século XVI e XVII, foi o principal polo aurífero do país segundo trabalhos recentes de arqueologia e a região de São Paulo, antiga capitania de São Vicente, pioneira nesse extrativismo mineral. A hipótese mais aceita é que o final da mineração em Guarulhos se esgota com a descoberta bandeirante de ouro em Minas Gerais, sendo essa área, economicamente revisitada e explorada durante o final do século XIX, com a formação das primeiras olarias, impulsionadas pela mudança de padrão arquitetônico da taipa de pilão para a alvenaria. Visitamos uma das últimas olarias em atividade, da família Valadar, palco cheio para discutir formação dos loteamentos e especulação imobiliária, tendo visto que os resquícios da fábrica fica abaixo da elevação do Rodoanel.

28-09-2017
Ouro, Guarulhos, Rodoanel, Bonsucesso, Lavras, Mineração

Resquícios da Mineração na Região de Bonsucesso

A Associação Amigos do Patrimônio e Arquivo Histórico – AAPAH, em mais uma atividade do Ponto de Cultura realizou uma aula de campo pelas áreas auríferas de Guarulhos, incluindo as regiões do Lavras, São João e Bonsucesso. O público-alvo, professores, alunos universitários, especialistas e demais interessados discutiram com os pesquisadores e professores Cris Ribeiro, Ellen Santana e Lionel Fontanesi sobre os projetos de mapeamento arqueológico, geológico, histórico e geográfico, como o Geoparque Ciclo do Ouro Guarulhos, que busca reconhecimento da Unesco, o PIPAG – Pesquisa Arqueológica de Guarulhos, trabalhos que interdisciplinarmente pode ressignificar a história de São Paulo.
21-09-2017

Metalurgia e incentivos governamentais: a Era Vargas em Guarulhos

Com as políticas econômicas varguistas, intensificou-se o processo de industrialização, principalmente no Sudeste, com instalações fabris de maior porte e o crescimento do ramo de eletrônicos. Segundo Maria Antonieta Leopoldi (2007), a crise de 1929 gerou a intensificação da produção de bens de consumo não duráveis no parque fabril já instalado, além da necessidade da instalação de fábricas de bens de produção no País, visando a sua expansão, devido à substituição das importações e à necessidade de se produzir para o mercado interno o que antes era importado, a fim de sustentar o parque fabril.
14-09-2017
Cerrado, Guarulhos, Vegetação, Natureza, Clima, Urbanismo, Desmatamento

Cerrado Guarulhense, Nosso Patrimônio Natural!

Você já ouviu falar na Savana Africana? Quando ouvimos falar em Savana logo nos remete uma imagem de uma paisagem com árvores espaçadas com arbustos e plantas herbáceas, em um lugar com zebras, antílopes e leões.
31-08-2017
Casa do Atleta, bosque, esporte, História de Guarulhos, judô, olimpíadas

Parque da Casa do Atleta (José Hettefleis), da glória à prostração

Em 2016, Edinanci Silva sofreu uma lesão grave e teve que se afastar do esporte que pratica desde os 15 anos, porém a Casa do Atleta que a abrigou em 1993 e da qual só saiu após alcançar o estrelato na olimpíada de Atlanta em 1996, se encontra numa situação pior que a dela.