Bruno Leite de Carvalho

por Bruno Leite de Carvalho[i]

O projeto Memória Viva do Ponto de Cultura da AAPAH leva moradores para falar sobre o passado da cidade, um desses convidados foi o historiador Silvio Ribeiro, que nasceu no bairro do Cambuci (São Paulo), em 09/07/1940, veio para Guarulhos em 1947 para morar na rua Jaboticabeira, no Gopoúva, exatamente onde atualmente fica o Colégio Canadá.

Depois de alguns anos, o historiador mudou-se para o Jardim Gopoúva, para a rua Engenheiro Cesar Polilo. Nessa época a avenida Emílio Ribas ia até a o final do muro do antigo Sanatório Padre Bento, a via não fazia a ligação entre o Centro e a Vila Galvão, ainda não existia os bairros Jardim Tranquilidade e Jardim Vila Galvão.

Entre a Vila Galvão e o Jardim Tranquilidade existiam uma trilha no meio do mato, assim a Liga Feminina do Gopoúva, que era liderada pela parteira dona Antônia, foi até o gabinete do prefeito Fioravante Iervolino para solicitar a abertura da continuação da avenida Emílio Ribas.

Calçamento Emilio Ribas, rua, logradouros, História de Guarulhos, Gopouva

Avenida Emílio Ribas com calçamento de paralelepípedo. Ano: 1962. Acervo: Silvio Ribeiro.

As mulheres do Gopoúva justificavam que preciso ir até a Vila Galvão para fazer compras e pagar contas e nem todos os moradores tinham condições de pagar a passagem, ir pelo meio do matagal era perigoso.

Naquela época, só existia uma motoniveladora em todo município de Guarulhos, mesmo assim no outro dia após o encontro com o prefeito, a máquina estava no bairro para abrir a via.

O operador da motoniveladora foi até a casa da dona Antônia para saber onde deveria ser aberta a futura avenida, a parteira acompanhou o profissional para mostrar que a via deveria sair do Jardim Tranquilidade e terminar próxima à rua Quitandinha, o mesmo trajeto que conhecemos hoje.

A Liga Feminina ainda voltou ao gabinete do prefeito para solicitar cascalho para avenida se tornar transitável nos dias de chuva e também pediu uma linha de ônibus, Fioravante também era proprietário da Empresa de Ônibus Guarulhos.

A abertura da Emílio Ribas aconteceu entre os de 1950 e 1951, nessa época o local era conhecido como a Estrada do Sanatório. O primeiro ônibus era do modelo jardineira com apenas uma porta de entrada e saída, nos dias chuva os passageiros homens desciam para ajudar a empurrar o veículo a subir nas ladeiras.

[i] Jornalista, responsável pela assessoria de comunicação da AAPAH, coautor dos livros “Guia Histórico Cultural de Logradouros – Lugares e Memórias de Guarulhos” e “Signos e Significados em Guarulhos: Identidade – Urbanização – Exclusão”.

 

 

25-02-2016
Calçamento Emilio Ribas, rua, logradouros, História de Guarulhos, Gopouva

Liga Feminina reivindicou a abertura do trecho final da Emílio Ribas

por Bruno Leite de Carvalho[i] O projeto Memória Viva do Ponto de Cultura da AAPAH leva moradores para falar sobre o passado da cidade, um desses […]
24-02-2016
Tiago Guerra, historiador, história de Guarulhos, Cecap

Historiador analisa como o patrimônio cultural é tratado em Guarulhos

Patrimônio Histórico e Cultural Tiago Cavalcante Guerra é mestre em História Social, responsável pelo Núcleo de Patrimônio Cultural da AAPAH – Associação Amigos do Patrimônio e […]
22-02-2016
Monumento em Homenagem ao IV Centenário de Guarulhos escultura, guarulhos, patrimônio cultural

12 bens culturais do Centro de Guarulhos

Selecionamos alguns patrimônios culturais da região central da nossa cidade, alguns são velhos conhecidos, outros passam despercebidos.
16-02-2016
Historiador de Guarulhos, Elmi Omar

Presidente do Conselho do Patrimônio Histórico expõe os desafios do mandato

O primeiro Espaço AAPAH de 2016 vem com formato diferente, desta vez trazemos uma entrevista com o historiador Elmi El Hage Omar, representante da Associação Amigos do Patrimônio e Arquivo Histórico no Conselho do Patrimônio Histórico Artístico Ambiental e Cultural de Guarulhos.