A rua 3 do Jardim Novo Ipanema e seus modos de identificação

passeio gratuito, o que fazer em Guarulhos, Bonsucesso, história, geografia, ponto de cultura
Aula de campo – Ouro em Bonsucesso
08-08-2017
formação geográfica, guarulhos, rodoanel, ferroanel, desenvolvimento urbano, sustentabilidade
Guarulhos: Desenvolvimento Desigual e Crescimento Combinado
17-08-2017

A rua 3 do Jardim Novo Ipanema e seus modos de identificação

Quando os lotes eram divididos para se vender, as ruas eram batizadas por números para identificação de cada logradouros, com a chegada dos primeiros moradores, para recebimento de correspondência se torna necessário uma denominação mais precisa como o nome de alguém que teve representatividade na região. O batismo do logradouro é decidido por decreto ou por imposição dos próprios moradores do local.

Além do nome, o CEP (Código de Endereçamento Postal) também é um importante identificador local, pois é único. Segundo o blog Mandae, o código de endereçamento foi criado no Brasil, pelo ex-diretor dos Correios, Moacyr Alves da Graça e seus funcionários, no ano de 1971. No começo eram cinco dígitos, apenas em 1992 passou a ter oito dígitos.

Ainda sem asfalto, a rua três do Jardim Novo Ipanema passou se chamar rua Dr. Domingos Paschoal Benedicto Graciano, o patrono foi vereador de Guarulhos entre 1952 e 1958. O decreto nº 4108 de 24 de abril de 1973 deixava público: “Denominação de via pública Rua Dr. Domingos Paschoal Benedito Gradiano. O CIDADÃO WALDOMIRO POMPÊO, PREFEITO MUNICIPAL DE GUARULHOS, no uso de suas atribuições legais e considerando o que consta do processo n° 7349/73, DECRETA: Artigo 1º – Fica denominada Rua Dr. Domingos Paschoal Benedito Gradiano, atual Rua “3”, que tem inicio na Av. Torres Tibagy e término na Rua Quatro, no bairro do Jardim Novo Ipanema. Artigo 6º – Este Decreto entrará em vigor na data de sua publicação revogada as disposições em contrário.”

logradouro, guarulhos, rua 3, cep, Jardim Novo Ipanema, Parque Santo Antônio, história

As ruas do Jardim Novo Ipanema ainda sem afasto, mesmo o anel viário era de terra. Acervo: Arquivo Histórico de Guarulhos.

Observamos no decreto à cima um erro na grafia do nome do patrono, assim em 1977, há o decreto nº 5874 de 28 de julho de 1977, segue a correção: “Dispõe sobre: Altera o Artigo 1º do Decreto n.º 4108 de 24 de abril de 1973.” O PROFESSOR NÉFI TALES, PREFEITO MUNICIPAL DE GUARULHOS, no uso de suas atribuições legais e conforme consta do processo n.º 7349/73, DECRETA: Artigo 1º – Altera o artigo 1º do Decreto n.º 4108 de 24/04/73, que passa a ter a seguinte redação: “Artigo 1º – Fica denominada RUA DR. DOMINGOS PASCHOAL BENEDICTO GRACIANO, a atual Rua “3”, que tem início na Avenida Torres Tibagy e término na Rua Quatro, no Bairro do Jardim Novo Ipanema.” Artigo 2º – Este Decreto entrará em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário.”

Como observamos no início do artigo, a forma adotada para o nomenclatura do logradouro, foi o decreto. O que há de interessante é que passado mais de 44 anos do primeiro decreto, os moradores do local ainda identificam como o local como rua três, é um fato de identidade, talvez, pela distância e desconhecimento de quem foi o patrono da rua.

Por falar em identidade, a rua três é conhecida na região do Parque Santo Antônio como a rua das festas, dos moradores mais animados. Em ano de Copa do Mundo, os vizinhos fazem “vaquinha” para enfeitar os postes de luz com bandeirinhas verdes e amarelas, além de pintar o chão e os muros.

O Dr. Domingos Paschoal também é homenageado com seu nome no Posto de Saúde do Jardim Vila Galvão, mas não há como confundir pois a rua três é a única com o CEP 07062-110 e também a alegria dos seus moradores é inconfundível.

Bibliografia: Cronlogia Guarulhense 2º volume, João Ranali

Bruno Leite de Carvalho e Diogo Leite de Carvalho
Bruno Leite de Carvalho e Diogo Leite de Carvalho
Bruno é jornalista, responsável pela assessoria de comunicação da AAPAH, coautor dos livros “Guia Histórico Cultural de Logradouros – Lugares e Memórias de Guarulhos” e “Signos e Significados em Guarulhos: Identidade – Urbanização – Exclusão”. Diogo é poeta autor dos livros Gritos poéticos e Poesias Cotidianas,estudante de história. cofundador da AAPAH.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.