A Praça Mamonas Assassinas é uma Difusora de Memórias

cidadania, cidadania, patrimônio cultural, urbanismo, casa josé maurício, Guarulhos
O patrimônio, a cidade e a cidadania
10-07-2017
Bandeira de guarulhos, significado, cores, motivos, lei
A bandeira de Guarulhos e seus significados
27-07-2017

A Praça Mamonas Assassinas é uma Difusora de Memórias

A Praça Mamonas Assassinas, localizada no bairro Cecap, foi nomeada oficialmente em 11 de abril de 1996 através do decreto municipal n° 19.344.

Dinho (vocalista), Samuel (baixista), Bento (guitarrista) e Sérgio (baterista) iniciaram a carreira em 1990 com a banda Utopia, na qual Júlio (futuro tecladista dos Mamonas) atuava como Roadie. A Praça foi palco de muitas apresentações e o local no qual começaram a vender os seus primeiros discos. Alcançaram um sucesso imensurável no ano de 1995, quando, já com a banda Mamonas Assassinas, chegaram aos esplendorosos 2 milhões de cópias vendidas no começo de 1996. O acidente não impossibilitou que esses ilustres guarulhenses permanecessem vivos e continuassem a passar a sua energia através das memórias.

A Praça é um patrimônio, pois o mesmo só existe a partir do momento em que a memória coletiva, criando assim laços afetivos. É preciso que a sociedade se identifique com o objeto e a Praça propicia essa apropriação, permitindo também que a memória da banda seja transmitida, como nas homenagens através dos shows anuais organizados pelos fãs que acontecem na praça.

mamonas assassinas, guarulhos, rock, música, Cecap, Dinho, Sérgio, Samuel, Bento

Show em homenagem aos Mamonas Assassinas, em 1997. Acervo: Arquivo Histórico Municipal de Guarulhos.

Embora não haja um local institucionalizado que agrupe a história da banda até hoje, sua força permanece, resistindo ao tempo através da história oral (aquela passada através das gerações), que é o cerne de qualquer patrimônio.

Que essa resistência temporal continue a enaltecer a história desses ilustres guarulhenses e que incentive ações de preservação que atinja a todos os elementos da praça e, acima de tudo, a sua essência que é a história local. Nesse sentido, e já é uma demanda dos próprios moradores locais, seria interessante a criação de um lugar em que reunisse a memória, constituindo um acervo a partir de mídias que possibilitariam a concentração da oralidade assim como por meio de objetos representativos. Voltando a banda, aqui não existe sequer um memorial que reúna sua memória e não é por falta de material, como bem afirmaram Dona Célia e o Seu Hildebrando, pais do Dinho, em uma conversa informal.

É preciso que se estenda a noção de patrimônio, ampliando o campo de abrangência para além das concepções que ainda prezam apenas pelo corpo do patrimônio (sua materialidade) ou por obras de dimensões monumentais. É urgente que se leve em conta a sua alma também, traduzida pela essencial cultura imaterial, a sustentação de qualquer patrimônio, e que também sejam incorporados novos objetos que não necessariamente sejam monumentais mas que também carregam imensurável valor e que são representantes da cultura popular.

Larissa Lucindo Fernandes
Larissa Lucindo Fernandes
Cidadã guarulhense e estudante de Arquitetura pela UNG e História da Arte pela UNIFESP.

2 Comments

  1. Obrigado por compartilhar! Eu aprecio o esforço colocado neste site e vai visitar aqui mais vezes.

    View Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.