A Caixa Beneficente e a Revista do Sanatório Padre Bento

Guarulhos, cidade dormitório, cidade, urbanismo, território
Cidade dormitório e adormecida
02-03-2017
pontos de referencia, guarulhos, patrimonio historico, locais de encontro
Dez pontos de referência de Guarulhos
16-03-2017

A Caixa Beneficente e a Revista do Sanatório Padre Bento

revista do sanatório padre bento, lepra, hanseniase, guarulhos, historia

Sanatório Padre Bento

A arrecadação da Caixa Beneficente, fundada em 1931, era grande, vide a quantidade de obras que financiaram dentro do Padre Bento. A área esportiva foi totalmente construída pela Caixa Beneficente, inclusive o campo de futebol com medidas oficiais, dentre outras várias obras.

O dinheiro vinha de donativos e da venda da Revista Padre Bento, organizada e vendida pela Caixa Beneficente de dezembro de 1932 a 1944, havendo um intervalo de de 1933 a novembro de 1936, talvez por problemas de direção.

Apesar da liberdade cerceada e de serem o mote da revista, os internos também tinham que arcar com um valor, mesmo que menor, para poder adquirir a revista. Além das assinaturas anuais, a revista também era comercializada de maneira avulsa, por 1$000 (mil réis) cada número, o que demonstra que a intenção dos assinantes era a de contribuir, já que, dada a periodicidade da revista, que variava de 2 a 3 meses, sairia mais barato adquirir os números individualmente do que fazer uma assinatura anual.

revista do sanatório padre bento, lepra, hanseniase, guarulhos, historia

                                             Primeira edição da Revista Padre Bento. Acervo: AAPAH/Ivan Canoletto.

A Revista Padre Bento era uma grande vitrine das atividades realizadas dentro do sanatório. Havia na publicação notícias dos eventos, das visitas recebidas, das festas, dos jogos realizados, das melhorias estruturais, além de textos com os avanços nas pesquisas médicas e dos agradecimentos aos que contribuíam com a Caixa Beneficente, fazendo dela uma grande propaganda interna e externa. Internamente, no sanatório, servia como convencimento dos pacientes de que estavam sendo tratados dentro do que havia de mais moderno e humano no mundo, além de exaltar a estrutura e o convívio, passava a sensação de normalidade, tentando assim evitar rebeliões ou fugas. Externamente, servia para que os doadores de dinheiro ou bens materiais acompanhassem o bom uso feito de suas doações, acalentando sua consciência e estimulando novas doações.

Nesse sentido, trazia, inclusive, publicações para se autopromover, além de exaltar os médicos sanitaristas, a direção do sanatório e até mesmo o Estado de São Paulo.

Ivan Canoletto Rodrigues
Ivan Canoletto Rodrigues
Mestre em História pela PUC-SP, associado da AAPAH, coautor do livro “Signo e Significados em Guarulhos: identidade, urbanização e exclusão” e autor de “Chagas da Exclusão”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.