Guarulhos e seus bens patrimonializados: Casarão José Maurício

Represa do Cabuçu, Serra da Cantareira, Parque da Cantareira, Meio Ambiente, Natureza
Serra da Cantareira: uma realidade verde em Guarulhos
29-09-2016
Mirante do Nhangussu, Ponto Turístico, Guarulhos, O que Fazer em Guarulhos
Conhecendo a região do Água Azul
24-10-2016

Guarulhos e seus bens patrimonializados: Casarão José Maurício

A cidade de Guarulhos abriu o século XXI com a aprovação do Decreto n.º 21.143/2000 que possibilitou o tombamento de um conjunto de bens considerados de valor histórico para a cidade. A trajetória das medias publicas em relação à proteção do patrimônio da cidade remontam desde a década de 70, e o Decreto n.º 21.143/2000 aparece como importante passo dado em direção a salvaguarda dos bens, mesmo com muito ainda a se caminhar. Pois apesar do Decreto citado garantir a proteção não havia uma lei em 2000 que regularizasse substancialmente o funcionamento do Conselho de Patrimônio da cidade (COMPHAACG). Somente em 2009 com a aprovação da Lei n. 6.573/09 garante ao conselho as atribuições de órgão consultivo e deliberativo.

A maioria dos bens protegidos pelo Decreto já é bem conhecido pelos guarulhenses. Como a maioria esta localizada na região central da cidade, muitos de nos os vemos, mas não os conhecemos de fato. Os bens tombados são na sua maioria do século XX, e outros do século XIX. A Igreja de Nossa Senhora do Bonsucesso de aproximadamente 1800, o Sítio da Candinha de 1825 e a Igreja do Bom Jesus da Cabeça de 1850. Os restantes dos doze bens são do século XX, sobretudo da primeira metade do século: a Casa Saraceni (1910), Antiga Estação de trem e a Casa Amarela (1915), Colégio Capistrano de Abreu (1921), Antigo Paço Municipal, (1921), Sanatório Padre Bento (1931), Casarão do Sr. José Maurício de Oliveira (1937), Igreja São João Batista dos Morros (1940), Igreja Nosso Senhor do Bom Jesus da capelinha (1942) e Antiga Fábrica do Adamastor (1946) e na segunda metade do século XX, existe a EEPSG Conselheiro Crispiniano (1951), a Praça Getúlio Vargas (1957) e o Bosque Maia (1974).

Conselho do Patrimônio Histórico de Guarulhos, Patrimônios Tombados de Guarulhos, Casa José Maurício, Casarão da Rua Sete de Setembro

Casarão do ex-prefeito José Maurício. Ano: 2016. Acervo: Bruno Leite de Carvalho.

Hoje a AAPAH (Associação dos amigos do Patrimônio e Arquivo Histórico) esta numa luta constante para garantir a preservação desses bens protegidos pela legislação, mas alguns estão abandonados e em péssimas condições. O Casarão do Sr. José Maurício Oliveira esta em situação critica de conservação e a AAPAH esta mantendo ações junto com os guarulhenses, de pressão e cobrança as autoridades competentes para garantir o restauro, e assim a permanência do imóvel.

O histórico do Casarão esta vinculado ao poder publico da cidade, já que a casa pertenceu ao prefeito José Maurício Sobrinho, e também por ter servido de sede para diferentes repartições publicas ao longo do tempo. Como edificação, a casa foi entendida como representante da arquitetura que se perdeu com a expansão do centro da cidade. Remanescente arquitetônico, então, ao Casarão se faz extremamente necessário que se restaure.

 O então restauro do imóvel esta em vias de acontecer. Ainda tramitando entre o edital de escolha da empresa que fará o restauro, muitos passos e avanços já foram dados. Assim o Patrimônio de Guarulhos tem caminhado, a passadas lentas, mas caminhando para a proteção e conservação dos bens da nossa cidade.

Helena Gomes
Helena Gomes
Bacharel em História e especialista em Patrimônio Histórico e Cultural pela UNIFESP - Universidade Federal São Paulo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.