Restaurante Cavacas, uma memória gastronômica

Lugares e Memórias sobre o Parque Cecap
15-01-2016
Ninho do Corvo, nossa segunda casa
31-01-2016

Restaurante Cavacas, uma memória gastronômica

Memória

Numa esquina, no número 227, na Rua Quitandinha funcionou até poucos meses o Restaurante Cavacas. Com seu cardápio especializado em cozinha portuguesa e brasileira instalou-se ali na Vila Galvão como um importante e conhecido restaurante familiar. Aos finais de semana, filas de pais e filhos comprando os deliciosos frangos e cortes de carnes nobres assados para o almoço de domingo.

Há que se lembrar do bacalhau, da feijoada, das suculentas guarnições e o famoso torresmo no balcão, agora com muito saudosismo: de longe, o melhor da cidade!

Assim foi o restaurante por quase vinte anos consolidando uma referência aos sabores do bairro. Em frente ao também antigo Restaurante Minhoto, ainda em funcionamento. Aos finais de semana movimentavam o trânsito, transformando o início do Anel Viário num local de passeio. Quantos clientes vinham de São Paulo nos seus tempos áureos. Quem não sabe o nome Cavacas tem origem no antigo doce português cavaca, nascido nos conventos da região do Mouro e Trás-os-Montes.

Local onde ficava o tradicional Restaurante Cavacas. Acervo: AAPAH/Danilo Duarte Ramalho

Local onde ficava o tradicional Restaurante Cavacas. Acervo: AAPAH/Danilo Duarte Ramalho

É bem verdade que nos últimos tempos já era nítido a imagem do comércio que vinha definhando, mas apesar de tudo nunca deixou de oferecer o sabor e excelência na cozinha. Até os seus últimos dias nada que viesse a abonar na sua excelência.

Nada de novo num país onde esta cada vez mais difícil a continuidade nos negócios, ora pelo péssimo ambiente (mão-de-obra não especializada, aumento constante de preço dos produtos, impostos altos…) ora pelo abusivo aumento dos aluguéis.

São grandes os exemplos de locais que foram grandes e ícones, mas que já não existem mais. Quem não se lembra do Roda Viva ou do antigo bar do Biri.

Não sou tão velho a ver tantas transformações no nosso bairro e cidade, mas desde já, sinto a falta desta referência. Foi-se embora um local que muito frequentei e degustei, foram-se embora os sabores, foi-se embora até o famoso bordão do Zé Português ao gritar o nosso pedido “sai umas fritas ‘frisquinhas’ pru Remalho”.

 

Danilo Duarte Ramalho
Danilo Duarte Ramalho
É professor de Turismo e membro colaborador da AAPAH.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.