Desvendando o Água Azul

Capela de Bom Jesus resiste às transformações do tempo
29-12-2015
Horto Florestal preserva o verde de Guarulhos
29-12-2015

Desvendando o Água Azul

Mineração em Guarulhos

Sobre o nome do bairro Água Azul, os moradores mais antigos contam que teve origem devido à existência de uma lagoa com água muito clara e azulada. Esta lagoa foi feita nos anos quarenta por uma empresa com a intenção de extrair areia. Com o abandono do local, os lençóis freáticos formaram a lagoa que iria batizar o bairro.

A localidade do Água Azul é cercada pelos bairros do São João, Tapera Grande, Lavras e Bonsucesso, territórios que possuem as mais relevante reminiscências do passado colonial Guarulhense

O bairro se formou em meio às minas de água, córregos e cachoeiras, sendo a base do desenvolvimento local.

Há ainda relatos esparsos sobre a atividade mineradora do local, que teria levado a exploração de ouro e a expulsão de famílias que moravam no local, assim como a presença de escravos na abertura da estrada de Nazaré.

Duas famílias foram responsáveis pelo povoamento. A família Luftala, responsável pelo loteamento, e uma família de japoneses que desenvolveu algumas culturas hortaliças.

Tijolo de barro com a inicial do sobrenome da família dona da olaria, caracteristicamente fabricado em Guarulhos. Ano 2009. Acervo: AAPAH/Bruno Leite de Carvalho.

Tijolo de barro com a inicial do sobrenome da família dona da olaria, caracteristicamente fabricado em Guarulhos. Ano 2009. Acervo: AAPAH/Bruno Leite de Carvalho.

As olarias de Guarulhos que produziram tijolos e telhas não só para a cidade, mas também para a Capital Paulista, tiveram sua contribuição para o desenvolvimento da região. No Água Azul encontramos os fornos mais preservados do Município. Em 1960, Guarulhos chegou a ter 260 olarias e cerca de 520 fornos para queima de tijolos.

Por conta da característica bucólica e rural do bairro, existem famosas lendas rurais no local como a Noiva do Capelinha, a jiboia de sete metros que protege a nascente do Ribeirão Tomé Gonçalves e o Lobisomem do Água Azul.

A Capela Nosso Senhor do Bom Jesus, ou a Igreja do Capelinha foi fundada em 1942 pela família Zacanaro e hoje pertence a família Martello. Fundada sobre um antigo cemitério, foi local de animadas festas dedicada a Bom Jesus com presença da banda Lira e de importantes famílias do centro.

A capela foi tombada pelo Decreto Municipal número 21.143, de 26 de dezembro de 2000.

Tiago Cavalcante Guerra
Tiago Cavalcante Guerra
Historiador, diretor geral da AAPAH, coautor dos livros “Cecap Guarulhos – Histórias, Identidades e Memórias”, “Guia Histórico Cultural de Logradouros – Lugares e Memórias de Guarulhos” e “Signos e Significados em Guarulhos – Identidade – Urbanização – Exclusão”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.