Os militares nos logradouros de Guarulhos

antiga camara dos vereadores de guarulhos, praça getulio vargas, preto e branco, guarulhos antiga
Getúlio Vargas e Guarulhos
11-05-2015
A Festa de Bonsucesso e o IV Centenário
11-05-2015

Os militares nos logradouros de Guarulhos

Logradouros de Guarulhos

Muitas ruas do centro de Guarulhos levam o nome de militares. É soldado disso, tenente daquilo, etc. Militares, na maioria, desconhecidos da população, mas que foram homenageados com nomes de ruas. O batismo desses logradouros se deve ao período em que Guarulhos teve um interventor militar, nomeado pela ditadura que controlava o país na década de 1970.

Alfredo Nader, eleito em 1970, teve o mandato cassado em 13 de Junho daquele ano acusado de irregularidades que nunca foram comprovadas. Em seguida, foi nomeado como interventor Jean Pierre Hermand.

anel viário, foto antiga, guarulhos

Atual Avenida Presidente Humberto de Alencar Castelo Branco, entre os anos de 1969 e 1970. Foto tirada em frente onde funcionou a Antiga Estação Vila Augusta. Fonte: Arquivo Histórico Municipal de Guarulhos.

O fato inflou o poder executivo e enfraqueceu o legislativo da cidade, praxe dos interventores nomeados a força. Sob a prefeitura de Hermand, Guarulhos teve uma legislação de logradouros autoritária, definindo no seu preâmbulo que cabia apenas ao Executivo nomear ruas na cidade.

Em junho de 1970 foi apresentada pelo gabinete uma sugestão para que se resolvesse o problema de homônimos das ruas e, obviamente, se realizasse melhor a cobrança de impostos. Como sugestão, foi apresentada uma lista de militares brasileiros mortos na Segunda Guerra Mundial, durante a batalha da Itália.

Em apenas uma semana, no ano de 1971, provavelmente como forma de “comemoração” ao Golpe Militar de 1964 e bajulação aos donos do poder da época, o nobre interventor batizou mais de cem ruas com nomes de militares. Homenageados no dia 31 de março de 1971, todos sem relação aparente com a cidade, mas ex-combatentes mortos na Segunda Guerra Mundial.

No total, foram 194 denominações em diversos bairros da cidade como Jardim Santa Mena, Jardim Santa Francisca, Vila Hermínia, Jardim Vila Galvão, Vila Capitão Rabello, entre outras. “É tempo de deixar de nominar ruas objetivando-se apenas a lisonja a determinadas famílias, em detrimento de vultos realmente expressivos de nossa história pátria. Em época como a nossa, onde medra, graça e campeia a livre avassaladora inversão de valores, tal medida seria altamente educativa e oportuna”, diria o chefe de gabinete da época, exaltando o ato realizado.

Nesse mesmo processo é também denominado o antigo caminho do trem da Cantareira de Avenida Presidente Humberto de Alencar Castelo Branco, o primeiro presidente – ditador no Brasil pós-golpe.

O ex-prefeito Alfredo Nader que teve a triste lisonja de ser cassado pelos militares, recentemente teve o seu mandato simbolicamente devolvido em sessão solene da Câmara Municipal de Guarulhos realizada em abril deste ano. Ainda vivo, não virou nome de rua, mas foi absolvido pela história.

Texto originalmente publicado na edição 40 do Semanário Ótimo:

http://issuu.com/guarulhosweb.com.br/docs/otimo-40_471017c1eb58f3

Tiago Cavalcante Guerra
Tiago Cavalcante Guerra
Historiador, diretor geral da AAPAH, coautor dos livros “Cecap Guarulhos – Histórias, Identidades e Memórias”, “Guia Histórico Cultural de Logradouros – Lugares e Memórias de Guarulhos” e “Signos e Significados em Guarulhos – Identidade – Urbanização – Exclusão”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.