Os lugares da memória

cecap, vilanova artigas, guarulhos, história guarulhos, arquitetura moderna
Os trailers e a identidade comunitária do Cecap
11-05-2015
antiga camara dos vereadores de guarulhos, praça getulio vargas, preto e branco, guarulhos antiga
Getúlio Vargas e Guarulhos
11-05-2015
avenida emilio ribas, sanatório padre bento, guarulhos antiga, preto e branco

Logradouros de Guarulhos

Quando se imaginou o projeto “Lugares e Memórias de Guarulhos”, partimos do conceito de Pierre Nora, em seu texto famoso, um lugar na história. Nora postularia que os lugares de memória são aqueles espaços que condensam as experiências da vida ainda não amarradas pelas narrativas oficiais.

Ao trabalhar com logradouros poderíamos optar pela leitura oficial, encontrando a biografia dos homenageados, destacando a sua importância. Porém neste trabalho, pretendemos ir à contradição. Entendemos que antes da denominação oficial do lugar, havia a história de vida de pessoas que traziam pulsação e referência ao lugar. Era córrego, mato, valo, dobra, cercado, antes de virar rua, avenida e alameda.

avenida Emilio Ribas, foto antiga, guarulhos

Av. Emilio Ribas, sem data. A via era mais estreita, a entrada do sanatório ficava aproximadamente onde fica o velório, atualmente.                          Fonte: Arquivo Histórico Municipal de Guarulhos.

Na história oficial encontramos sínteses de homenageados que pouco, ou nada, possuem de relacionamento com a memória local. Por exemplo,  a história do Dr. Lauro Souza Lima, importante dirigente a frente do Sanatório Padre Bento, mas que foi esquecido pelo nome do Dr. Emílio Ribas, que ganhou nome de avenida

Vasculhamos também como a cidade acabou homenageando vários militares em pouco tempo na época da ditadura. As idas e vindas em relação a Getúlio Vargas. Os nomes de ruas do Cecap dado a pessoas comuns que tiveram papel de destaque na vida comunitária do bairro.

 

É um desafio pesquisar como os nomes de ruas do passado se tornam logradouros oficiais, com denominações que fogem ao que costumeiramente era tratado pela população. Essa memória se transfigura pela ação do tempo e da sociedade. A memória espontânea se torna história oficial. O objetivo deste projeto coordenado pela AAPAH – Associação Amigos do Patrimônio e Arquivo Histórico é investigar a nuance dessas transformações, reelaborando os fragmentos do passado.

Historiador, responsável pelo Núcleo de Patrimônio Cultural da AAPAH, coautor dos livros “Cecap Guarulhos – Histórias, Identidades e Memórias” e “Guia Histórico Cultural de Logradouros – Lugares e Memórias de Guarulhos” e “Signos e Significados em Guarulhos: Identidade – Urbanização – Exclusão”.

Texto originalmente publicado na edição 38 do Semanário Ótimo.

 

Tiago Cavalcante Guerra
Tiago Cavalcante Guerra
Historiador, diretor geral da AAPAH, coautor dos livros “Cecap Guarulhos – Histórias, Identidades e Memórias”, “Guia Histórico Cultural de Logradouros – Lugares e Memórias de Guarulhos” e “Signos e Significados em Guarulhos – Identidade – Urbanização – Exclusão”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.